Posted on

Um relatório da Europol revelou que apenas 1,1% do uso de Bitcoin Billionaire está ligado a atividades criminosas, uma redução de 94,5% em relação a 2013. Essa grande mudança se deve ao surgimento do comércio de Bitcoin nos anos desde então, mas nem tudo é uma boa notícia – o relatório também afirma que moedas de privacidade, carteiras e outras tecnologias relacionadas representam uma “principal ameaça” para as agências de aplicação da lei na Europa e que os cibercriminosos estão ficando mais espertos na maneira como lidam com criptomoedas obtidas ilegalmente .

Europol – Os cibercriminosos estão a ficar mais inteligentes

No novo relatório sobre o crime organizado na Internet, denominado Internet Organized Crime Threat Assessment (IOCTA) 2020, a Europol afirma que as criptomoedas „continuam a facilitar os pagamentos de várias formas de crime cibernético“, sendo o ransomware o principal método utilizado e os seus perpetradores desses crimes desenvolveram suas práticas para utilizar moedas e serviços orientados para a privacidade para iludir as autoridades.

Esses “conceitos de coinjoin com privacidade aprimorada”, como Wasabi e Samurai, estão se tornando mais populares entre os usuários de criptomoedas ilegais, apesar de empresas como Chainalysis afirmarem ser capazes de rastrear transações dentro e fora de alguns desses serviços de mistura. A Europol observa que as criptomoedas se tornaram o “método de pagamento padrão para … ransomware e outros esquemas de extorsão” devido à sua “confiabilidade, irreversibilidade das transações e um grau percebido de anonimato”.

Autoridades em todo o mundo têm tentado combater esse fenômeno nos últimos meses, contratando empresas de análise de blockchain para tentar ajudá-las a rastrear fundos enviados usando tecnologia de aumento de privacidade.

Uso legal de bitcoin Dwarfs uso ilegal

O relatório da Europol não foi totalmente uma má notícia para a criptomoeda, pois revelou que o uso legítimo de criptomoedas cresceu muito mais rápido do que o uso ilegítimo:

Em 2019, a grande maioria das transações de bitcoin estava ligada a
atividades de investimento e negociação, portanto, apesar do abuso considerável, a atividade criminosa corresponde a apenas 1,1% do total de transações.

De acordo com os próprios números da Europol, isso representa uma queda de 94,5% em relação a 2013, quando sites como o Silk Road eram o principal caso de uso de criptomoedas. O comércio de bitcoins é tão popular que atrapalha o uso ilegal, algo que os defensores ficarão extremamente felizes com a percepção negativa contínua do Bitcoin no mundo todo.